Uma reportagem de Rafael Soares na Revista Época fez uma análise de todas as informações disponíveis sobre 195 mortes por intervenção de agentes do estado ocorridas em julho de 2019 — até então, o mês mais letal das últimas duas décadas. Resultado: ao menos 12 casos de mortes cometidas pela polícia do Rio, em um único mês, apresentados à população como “confronto com bandidos”, têm indícios graves de erro policial, em que inocentes foram mortos por engano, ou execução à margem da lei”.

A Defensoria Pública do Rio pediu uma investigação independente sobre as mortes no Alemão. O defensor Daniel Lozoya lembrou que essa não foi a primeira chacina cometida pela polícia ali – e o Brasil já foi condenado internacionalmente por causa disso.

Rodrigues é só mais um confundido com bandido que morreu pelas mãos da polícia. Trajano quase se tornou uma vítima. No Alemão, em meio a uma pandemia, moradores tiveram de carregar mortos à bala.

São muitos casos que fazem da exceção a regra para muita gente. E isso é inadmissível.